2013.12.06 Ferreira Gullar

Ferreira Gullar

Ferreira Gullar,um dos maiores poetas brasileiros, assume em sua obra, a partir dos anos 60, um compromisso explícito com as classes populares.   Esse comprometimento com bandeiras de cunho social foi marcado pela forte expressão de sua poesia enquanto resistência durante os anos da Ditadura Militar.Na obra Dentro da noite veloz, publicada em 1975, encontraremos muitas dessas poesias escritas por quem também teve sua vida marcada pela Ditadura. Para hoje, escolhemos Maio 1964!

Dentro da noite veloz, publicada em 1975

Dentro da noite veloz, publicada em 1975

 

 

 

 

Maio 1964

Na leiteira a tarde se reparte
em iogurtes, coalhadas, copos
de leite
e no espelho meu rosto. São
quatro horas da tarde, em maio.
Tenho 33 anos e uma gastrite. Amo
a vida
que é cheia de crianças, de flores
e mulheres, a vida,
esse direito de estar no mundo,
ter dois pés e mãos, uma cara
e a fome de tudo, a esperança.
Esse direito de todos
que nenhum ato
institucional ou constitucional
pode cassar ou legar.
Mas quantos amigos presos!
quantos em cárceres escuros
onde a tarde fede a urina e terror.
Há muitas famí lias sem rumo esta tarde
nos subúrbios de ferro e gás
onde brinca irremida a infância da classe operária.
Estou aqui. O espelho
não guardará a marca deste rosto,
se simplesmente saio do lugar
ou se morro
se me matam.
Estou aqui e não estarei, um dia,
em parte alguma.
Que importa, pois?
A luta comum me acende o sangue
e me bate no peito
como o coice de uma lembrança.
Anúncios