Mais lugares das prateleiras da nossa Biblioteca serão ocupados nessa semana. Depois de sugerir a leitura de dois autores que se inspiraram em contextos políticos autoritários para produzirem poesias de protesto e de resistência, hoje escolhemos romances que nos contam histórias, ora verídicas ora fictícias, de personagens que viveram nos anos da Ditadura Civil-Militar aqui no Brasil.

Feliz Ano Velho - Livro

Feliz Ano Velho – Livro

Os livros são Feliz Ano Velho de Marcelo Rubens Paiva e Verdes Anos de Luiz Fernando Emediato. São duas obras que, com certeza, já marcaram experiências literárias de muitos jovens e que acreditamos serem portadoras de características que muito estimula o gosto pela leitura da gurizada.

De linguagem acessível e profundamente próxima a vivência dos adolescentes, tais textos dialogam tanto com questões inerentes à fase da vida pela qual passam os estudantes do ensino médio quanto por discussões contextualizadas e datadas pelos anos da Ditadura. São histórias que, para além da veracidade e da verossimilhança, por seus formatos próprios de escrita propiciados pela arte, transportam-nos para outros tempos em uma espécie de imersão em trajetórias de vida, que embora distantes temporalmente das nossas, guardam angústias, desejos, sonhos e contradições bastante comuns também aos nossos tempos. Vamos conhecer?!

Feliz Ano Velho, de Marcelo Rubens Paiva

Feliz Ano Velho é um romance que foi publicado inicialmente em 1982. Em uma espécie de memória e de autobiografia, Marcelo Rubens Paiva relata parte de suas vivências antes e depois do acidente que o deixou tetraplégico em 1979. São relatos ligados à sua recuperação, aos medos e a forma de inserção na sociedade após tal fato. São memórias da sua infância e da sua juventude; dos casos amorosos, da carreira musical e da sua participação no movimento estudantil, tudo em tom bastante bem humorado.Filho do deputado Rubens Paiva, desaparecido e assassinado no início da década de 70, o autor relata também as vivências em família desse período tempestuoso vivido em nosso país nos anos posteriores aos Golpe de 1964. Uma história sensível que entrelaça uma trajetória de vida singular à história do nosso país. Vale muito ler!!!!

Feliz Ano Velho - Filme

Feliz Ano Velho – Filme

E ainda tem mais…

O livro Feliz Ano Velho inspirou o filme de mesmo nome que foi estreado em 1987 com a direção de Roberto Gervitz. Além de uma importante aceitação do grande público, foi indicado a categoria de melhor filme no Festival de Gramado de 1988.

Verdes Anos - Livro

Verdes Anos – Livro

Verdes Anos, de Luiz Fernando Emediato Autor de a Geração Abandonada, Emediato reúne no livro Verdes Anos (publicado em 1984) uma série de contos escritos na década de 70 caraterizados pela mescla entre um texto de ficção e um texto autobiográfico da relação vívida por jovens, por filhos do “milagre econômico”.

Assim como em Feliz Ano Velho, também há nessa obra uma sibiose entre vidas singulares e a história do nosso país, em tom, ainda que em muitos momentos angustiados, bem humarado naquilo que diz respeito à “letargia e alienação” pela qual foi submetida toda uma geração, conforme o próprio Luiz Fernando afirma no Prefácio. Enfim, um excelente livro para romper com as que Emediato chamou de as “particularidades de nossa sociedade na qual muitos nem ao mesnos adivinham o que aconteceu de trágico e terrível naqueles anos 70”.

Desse também tem mais…

Verdes Anos - Filme

Verdes Anos – Filme

Também a partir da história do livro Verdes Anos, com direção de Carlos Gerbase e Giba Assis Brasil e roteiro de Alvaro Luiz Teixeira, a Casa de Cinema de Porto Alegre lançou, em 1984, o filme Verdes Anos, adaptado do conto de mesmo nome presente dentro do livro.

Nando e Cândida envoltos em uma história de amor e de fatos comuns da vida, em meio aos conflitos políticos e sociais dos anos 70 e a trama que colore o filme, que ainda conta com a trilha sonora de Nei Lisboa. Para conferir, clique aqui.

Advertisements